Print this page

Coimbra vai ter sistema de partilha de trotinetas elétricas

  • Dez. 22, 2018

Depois de São Francisco (Califórnia), Madrid, Paris, Berlim e Lisboa, Coimbra vai ter um sistema partilhado de trotinetas elétricas, numa colaboração entre a Câmara Municipal (CM) e a empresa Lime. O acordo para a instalação e operação deste sistema foi aprovado na reunião do executivo camarário de ontem. Este tipo de transporte, que em Portugal ainda só chegou a Lisboa, é já reconhecido como uma opção para viagens de curta distância e é mais uma medida que reforça Coimbra como ‘smart city’.

As trotinetas com motor elétrico vão chegar a Coimbra, através da implementação de um sistema de partilha. Este meio de transporte já está a ser instalado em várias cidades por todo o Mundo e é considerado como útil para quem tem de percorrer distâncias relativamente curtas ao longo do dia, sem preocupações maiores com o estacionamento. “A trotineta pode constituir um modo de deslocação mais rápido, eficiente e ajustado a deslocações em meio urbano”, pode ler-se na informação que vai ser analisada na próxima reunião do executivo camarário.

A vereadora da CM Coimbra, Regina Bento, refere no despacho que remete ao presidente da autarquia, Manuel Machado, que esta proposta “trará enormes mais-valias para a promoção da mobilidade sustentável e reforçará a nossa cidade como um bom exemplo de ‘smart city’, acrescendo a outras medidas que têm vindo a ser adoptadas”. Regina Bento elenca várias medidas que o executivo socialista tem implementado, nomeadamente “a política de gratuitidade dos passes escolares; a renovação da frota dos SMTUC através de veículos elétricos; a reposição dos troleicarros; a rede Wi-Fi própria instalada em dezenas de pontos da cidade e em toda a frota dos SMTUC; a informação em tempo real; e a rede de ciclovias em criação”.

Os ganhos ambientais e energéticos são, também, um ponto a favor deste sistema, como evidenciado na mesma informação, que elenca a “redução de emissões de gases com efeito de estufa, de partículas; de ruído ambiente, de consumo de energia, de congestionamento do tráfego; e melhoria da qualidade do ar e do ambiente urbano”.

As regras de utilização implicarão, por exemplo, uma idade mínima de 18 anos; o uso obrigatório de capacete; estacionamento apropriado nos “hotspots” demarcados, sem obstruir zonas de circulação pedonal, acessos e estacionamentos; circular nos termos do código da estrada e sem acrobacias e manobras perigosas.

O custo da viagem deverá ser de um euro para desbloquear a trotineta, ao qual se somam 15 cêntimos por minuto de utilização, implicando o uso da aplicação da Lime. O operador terá ainda meios próprios que procedem diariamente à recolha dos equipamentos e recarregamento das baterias. Para além das suas próprias equipas, a Lime estabelece também parcerias com particulares locais, denominados ‘Juicers’, que recolhem e recarregam os veículos durante a noite e depois distribuem durante a manhã, sendo pagos por esse serviço.