Mais de 80 postos de parqueamento de bicicletas vão ser instalados em Coimbra

O executivo da Câmara Municipal (CM) de Coimbra aprovou, na sua reunião de hoje, um anteprojeto para a implementação de mais de 80 postos de parqueamento de bicicletas. Este investimento, na ordem dos 120 mil euros, avança conjugadamente com a empreitada para a criação de mais 14,5 quilómetros de ciclovia em Coimbra, que representará um investimento de cerca de 2 milhões de euros e que está em fase de concurso público.

A CM Coimbra pretende instalar e distribuir 83 postos de parqueamento de bicicletas pela cidade, uma ação incluída no Plano de Mobilidade Urbana Sustentável (PAMUS) do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU). O objetivo é que cerca de um terço desses postos seja instalado na envolvente da rede de ciclovias municipais, que tem neste momento cerca de 3 quilómetros, estando em fase de concurso público, num investimento de cerca de 2 milhões de euros, a implementação de mais 14,5 quilómetros, o que perfaz uma rede de ciclovias de 18 quilómetros. Esta rede viária ligará polos importantes da cidade, tais como estabelecimentos de ensino, de saúde e zonas comerciais, entre outros. Os restantes postos de parqueamento de bicicletas serão instalados nos principais locais de destino das viagens, como os hospitais, os polos de ensino básico, secundário e superior, centros de comércio e serviços, equipamentos desportivos e pontos de articulação com transportes públicos.

O projeto engloba ainda a colocação de cinco oficinas de self-service, que incluem um suporte onde as bicicletas ficam suspensas, uma bomba de ar interna de alta qualidade com manómetro e as ferramentas essenciais para pequenas reparações.

A implementação desta rede de postos de parqueamento irá, pois, “permitir um melhor desempenho do sistema ciclável, considerando a complementaridade dos diversos modos de transporte e promovendo o crescimento do número de pessoas sensibilizadas e que aderem à utilização da bicicleta nas suas deslocações diárias”, lê-se na informação analisada na reunião de Câmara. Uma forma de “reforçar o impacto da rede ciclável na redução do uso do transporte privado motorizado e, consequentemente, a emissão de gases com efeitos de estufa”, pode ainda ler-se no texto que demonstra as preocupações ambientais para a promoção deste projeto.

A autarquia tem seguido uma política de incentivo à utilização de bicicletas que justifica, pois, a aposta em estacionamentos seguros e bem localizados para esses veículos. Com a instalação destas infraestruturas será, posteriormente, avaliada a possibilidade de serem desenvolvidos sistemas de partilha de bicicletas (bikesharing) e trotinetes, cujo conceito passa por disponibilizar estes veículos na medida das necessidades dos utilizadores para viagens de curta distância e deslocações diárias na área urbana. Estes sistemas permitem a recolha de uma bicicleta num determinado local e a sua devolução noutro local onde exista o mesmo sistema instalado.

A instalação dos 83 postos de parqueamento para bicicletas tem uma estimativa global na ordem dos 120 mil euros, distribuídos em verbas para o estaleiro, trabalhos preparatórios, mobiliário urbano e marcação rodoviária, acrescidos dos impostos à taxa legal em vigor.

A proposta que foi aprovada na reunião indica ainda a solicitação de um parecer à Direção Regional de Cultura do Centro (DRCC), uma vez que o projeto se sobrepõe a algumas zonas de proteção de imóveis classificados.