Coimbra empenhada na melhoria das condições de mobilidade no concelho e na região

O presidente da Câmara Municipal (CM) de Coimbra, Manuel Machado, falou ontem, na conferência de imprensa de apresentação do programa da Semana Europeia da Mobilidade 2018, que decorreu no Salão Nobre dos Paços do Município, sobre alguns assuntos que considera prioritários para a melhoria das condições de mobilidade no concelho e na região de Coimbra. A falta de apoio estatal aos Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC), os pequenos avanços no projeto do metrobus, a viabilidade da criação de um aeroporto na Região Centro e o regresso da Ecovia foram alguns dos temas que mereceram a atenção do autarca.

“São os SMTUC que servem a cidade. É a nossa grande aposta para promover a mobilidade no concelho e tem funcionado de forma convincente, mesmo sem o apoio do Estado”, considerou Manuel Machado, lembrando, porém, que em Coimbra “são os cidadãos que suportam esta despesa” e que a autarquia tem um custo social com os SMTUC de “cerca de 9 milhões de euros anuais”. “Queremos que haja um apoio estatal, como existe noutras cidades”, afirmou o autarca, que reclama um apoio financeiro do Governo aos SMTUC, à semelhança do que acontece em Lisboa e no Porto. “É uma questão de equidade”, justificou.

Em relação ao metrobus, o presidente da CM Coimbra reconhece que “houve alguns avanços, mas não são suficientes, nem correspondem aos compromissos celebrados com o Governo. As intervenções de fundo tardam”, afirmou Manuel Machado, considerando que “é preciso desenguiçar este nó, porque estão três concelhos prejudicados: Coimbra, Lousã e Miranda do Corvo”. O presidente da CM Coimbra adiantou que este será um dos temas da conferência sobre mobilidade que vai decorrer na quinta-feira, dia 20 de setembro, a partir das 10h00, no Salão Nobre dos Paços do Município.

Outro tema relevante que será abordado na conferência de quinta-feira será a mobilidade aérea e a viabilidade do aeroporto para a Região Centro. Manuel Machado falou sobre os estudos realizados sobre a possível ampliação do Aeródromo Municipal Bissaya Barreto, assegurou que esses serão conhecidos até ao final do mês e garantiu ainda que será efetuada uma abordagem pública sobre a temática durante a conferência de quinta-feira. O presidente da CM Coimbra deixou clara a pretensão da autarquia sobre este tema. “O que precisamos é de um aeroporto autossustentável, que sirva Coimbra e a região, que sirva uma bacia demográfica de dois milhões de habitantes e que opere dentro do espaço Schengen, com voos low-cost”, referiu.

O regresso do projeto Ecovia foi outro dos assuntos abordados pelo autarca. Manuel Machado anunciou que está a preparar o regresso da Ecovia, faltando apenas “afinar quais são os parques periféricos”. Este sistema funcionará com viatura elétricas e pretende “reduzir a pressão automóvel no centro da cidade”, avançou. O autarca considerou, ainda, que os apoios europeus à compra de veículos elétricos são baixos e argumentou que, com estas medidas municipais de aposta em veículos não poluentes, a CM Coimbra está a fazer a sua parte para que Portugal não seja penalizado por emissões excedentárias de dióxido de carbono.