Município avança com projeto de reabilitação da Casa das Cruzes

O executivo da Câmara Municipal de Coimbra (CMC) aprovou por unanimidade, na sua reunião de ontem, o projeto de reabilitação do imóvel Casa das Cruzes, sito no Palácio Confusos e Rua das Esteirinhas, no âmbito da ação Residência Ganhar Autonomia – PARU (Planos de Ação de Regeneração Urbana)/PEDU (Planos Estratégicos de Desenvolvimento Urbano). O custo da obra está estimado em 870.068,69 euros (mais IVA à taxa legal em vigor).

O projeto base de arquitetura já tinha sido aprovado em reunião de Câmara, no início de março de 2017. Agora, foi aprovado o projeto final de execução de arquitetura que engloba os projetos de especialidades e respetivas medições do imóvel.

Os projetos de especialidades foram realizados pela empresa Projedomus – Projetos e Instalações Elétricas Inteligentes, Lda., nomeadamente: o projeto de fundações e estruturas; redes de drenagem de águas residuais domésticas; redes de drenagem de águas pluviais; rede de distribuição de águas; instalações, equipamentos e sistemas elétricos; instalação de redes e equipamentos de telecomunicações, dados e TV; projeto de térmica com certificação energética; projeto de instalações; equipamentos e sistemas de gás; e, por fim, segurança contra incêndios. 

Relativamente ao projeto de arquitetura, a proposta aprovada contempla a demolição parcial do interior do edifício, para que seja possível criar um novo desenho tipológico interior, com padrões de conforto atuais de habitabilidade. No interior do edifício vai ser criado um pátio, de modo a melhorar as condições de iluminação e ventilação, sendo necessário, depois, o reforço estrutural ou a introdução de novos elementos estruturais. A comunicação vertical é integralmente redefinida para tornar a sua utilização mais cómoda.

O pátio localizado a norte será requalificado integralmente, com um pavimento lajeado de betão, de modo a torná-lo utilizável, e a cisterna será recuperada exteriormente e selada interiormente com uma membrana impermeabilizante e de retenção.

A composição do imóvel no seu interior, que era definido por quartos com instalações sanitárias comuns e cozinhas e salas partilhadas, foi alterada. As unidades de alojamento temporário deram lugar a pequenas unidades autónomas, com tipologias compreendidas entre o T0 e o T2, mantendo-se, contudo, uma sala comum, para convívio dos seus utilizadores, e um espaço de lavandaria com acesso direto ao pátio exterior.

Desta forma, ao nível do piso 0 e com entrada pela Rua das Esteirinhas 19, fica um espaço único, autónomo, de tipologia T1, com sala, cozinha, quarto e instalação sanitária. Já no piso 1, com entrada pelo Palácio Confusos, ficam quatro tipologias T0, com sala comunitária, lavandaria e pátio exterior. O piso 2 passa a ser constituído por três T1 e um T0. No mesmo piso, mas com acesso pelas escadas que ligam a Rua da Ilha ao Palácio Confusos, ficam mais dois T1. O piso 3 passa a ser constituído por dois T0, dois T1 e um T2, enquanto no piso 4 surge um T2.