CMC apoia projeto do IPN assente nas tecnologias da internet do futuro

A Câmara Municipal de Coimbra (CMC) celebrou, esta terça-feira, um protocolo com o Instituto Pedro Nunes (IPN) – Incubadora, que estabelece um apoio financeiro de 22 mil euros à atividade do Internet Innovation Hub (IHUB) de Coimbra, que se encontra instalado no IPN e visa promover o empreendedorismo e a inovação com base nas tecnologias da Internet do Futuro. Um projeto que conta com o apoio da Comissão Europeia (tecnologias FIWARE) e que a autarquia já apoia desde 2015 e irá apoiar até 2019, num total de 110 mil euros. O presidente da CMC, Manuel Machado, e a presidente do IPN, Teresa Mendes, visitaram, a seguir, algumas das empresas instaladas na aceleradora e incubadora do IPN e, no final, reuniram para avaliarem a hipótese de passarem algumas dessas empresas, que necessitam de ampliar as suas instalações, para o iParque.

 “O Internet Innovation Hub é um projeto europeu para o qual foram selecionados com destaque e, portanto, é uma questão de interesse geral, reconhecido pela Comissão Europeia. E a seleção do IPN é pela qualidade tecnológica, mas também pela qualidade humana, pelos recursos humanos que aqui estão concentrados”, afirmou o presidente da CMC, antes da assinatura do protocolo. Manuel Machado lembrou ainda a importância de estreitar laços de cooperação com o IPN e agradeceu a ajuda que o instituto deu, e continua a dar, para a criação de um espaço de “cowork”, no Pátio da Inquisição, em pleno coração da cidade, área que se pretende com “vida social, económica, empresarial e criativa”.

“Somos a única incubadora portuguesa a integrar o Internet Innovation Hub”, realçou, por sua vez, Teresa Mendes, lembrando ainda “o caso da ESA-BIC”. “Temos um centro de incubação da Agência Espacial Portuguesa em Coimbra, que estamos a coordenar a nível nacional e também fomos selecionados para isso”, reforçou a responsável, dando destaque a estes dois importantes projetos internacionais. Teresa Mendes lembrou ainda que “tanto na incubadora, como na aceleradora, 100% do espaço está ocupado”, e adiantou que a estimativa do IPN é que as 23 empresas que se encontram na aceleradora gerem um volume de negócios de 50 milhões de euros (valor referente a 2016). “A celebração deste protocolo é, por isso, muitíssimo importante, porque nos ajuda a alavancar este nosso trabalho”, concluiu a presidente do IPN.

Manuel Machado e Teresa Mendes visitaram cinco empresas instaladas na incubadora e aceleradora do IPN, nomeadamente a Active Aerogels, Space Layer Tecnologies, doDOC, Medicineone e Stratio Automotive. Empresas de sucesso, que já operam no mercado europeu e mesmo para além deste e que precisam agora de crescer ainda mais. A CMC trabalha com duas delas: a Space Layer, que realiza o controlo de poluentes com soluções para alertas em tempo real, imagens de satélite e sensores instalados em estruturas fixas e em veículos em movimento, e a Stratio Automotive, que faz a gestão e monitorização em tempo real de necessidades de reparação de 50 veículos dos Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC).  

 “Este tipo de visitas é extremamente estimulante. Temos aqui excelentes empresas, com uma capacidade produtiva muito relevante, com capacidade de exportação de produtos, o que é uma grande vantagem para Coimbra e para o nosso país, e algumas das empresas que tivemos oportunidade de visitar estão a trabalhar para nós em projetos pioneiros, qualificados pela Comissão Europeia”, salientou Manuel Machado, no final da visita, em declarações aos jornalistas. “O IPN não só é uma das melhores incubadoras do mundo, como o produto que se realiza pelas empresas que aqui operam é de alta qualidade e melhora a capacidade competitiva do nosso país, e de Coimbra, claro”, acrescentou.

O presidente da CMC revelou ainda aos jornalistas que se encontra em reuniões de trabalho com o IPN – uma das quais se realizou no final da visita – para procurarem soluções para as empresas que precisam de ampliar as suas instalações e falou mesmo na necessidade de criação uma “incubadora industrial”. “O que estamos a fazer é procurar criar respostas para estas empresas, que começaram pequeninas, foram crescendo, e têm necessidade de outro acolhimento. E, portanto, estamos a procurar criar condições no IParque, como sítio estratégico para acolher, num ambiente de produção industrial e tecnológica qualificado, essas empresas que precisem de ampliar instalações. E é nisto que estamos a trabalhar com o IPN. Por isso é que vou agora ter uma reunião de trabalho”, concluiu Manuel Machado.

O vereador da CMC, Carlos Cidade, o vice-presidente do IPN, Amílcar Cardoso, e o diretor do IPN, Paulo Santos, também estiveram presentes na assinatura do protocolo e na visita às empresas da incubadora e aceleradora do IPN.