II Mostra de Estátuas Vivas anima Baixa de Coimbra

A Baixa de Coimbra voltou a acolher, no passado sábado, uma Mostra de Estátuas Vivas. A segunda edição desta manifestação de imobilidade expressiva reuniu um total de 25 quadros cénicos, com 30 dos melhores artistas desta arte urbana, várias vezes premiados em festivais nacionais e internacionais. Durante a manhã, a vereadora da Cultura da CM Coimbra, Carina Gomes, visitou a Mostra e evidenciou a importância dada à pluralidade de expressões artísticas na política cultural municipal. Carina Gomes salientou ainda a dinâmica e a diversidade de iniciativas que ocorrem no concelho durante o mês de agosto.

Com direção artística de António Santos, pioneiro da “arte da quietude” e recordista mundial, os artistas convidados proporcionaram um ambiente mágico que promete encantar, seja pelo impacto visual que suscitam junto dos transeuntes, seja pela atrativa caracterização/indumentária das personagens que representam.

O público encontrar-se-á com personalidades ligadas à história, à literatura, às figuras de tradição e aos ofícios populares, as quais estarão distribuídas num circuito orientado pela Baixa de Coimbra, que inclui lugares como a Praça 8 de Maio, os Largos do Poço, do Paço do Conde e da Freiria, a Praça do Comércio, a Portagem e as ruas Ferreira Borges e Visconde da Luz, entre outros locais.

Quando as ruas se tornam galerias de artes, as estátuas podem estar vivas. É o que pode acontecer quando se cruzarem na Baixa da cidade de Coimbra com D. Afonso Henriques, a Rainha Santa Isabel, D. Inês de Castro, o Estudante de Coimbra, a Tricana, o Cauteleiro, o Aguadeiro, Antero de Quental, Mozart, entre muitas novidades que surgem a cada esquina.

A iniciativa evidencia a importância dada à pluralidade de expressões artísticas, assumindo-se como mais um exemplo da abrangência e inovação da política cultural proposta pela Câmara Municipal de Coimbra no decurso dos últimos anos.