CM Coimbra evoca Miguel Torga por ocasião dos 24 anos da sua morte

A Câmara Municipal (CM) de Coimbra vai evocar a vida e a obra de Miguel Torga, a partir de amanhã, 17 de janeiro, com um conjunto de ações que visam assinalar os 24 anos da sua morte. A programação tem início amanhã, com a realização do “Roteiro Miguel Torga” e a inauguração de duas exposições documentais e bibliográficas, na Casa Museu Miguel Torga e na Biblioteca Municipal de Coimbra. A evocação estende-se até ao dia 21 de janeiro, dia em que se realizará, na Casa Museu Miguel Torga, a conferência intitulada “Coimbra e os seus Poetas”, por José Augusto Bernardes. A entrada é livre.

Faz amanhã 24 anos que morreu o médico e escritor Miguel Torga, pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha. Miguel Torga nasceu em Vila Real, no dia 12 de agosto de 1907, estudou medicina em Coimbra, cidade que elegeu para viver e onde veio a morrer no dia 17 de janeiro de 1995, com 87 anos. A partir de amanhã, e até dia 21 de janeiro, a autarquia apresenta um programa que evoca a vida e a obra deste importante escritor da literatura portuguesa. A programação é composta por um roteiro temático, duas exposições documentais e bibliográficas e uma conferência. 

O “Roteiro Miguel Torga” é um itinerário guiado que incide sobre os lugares e as vivências do poeta na cidade de Coimbra. O percurso torguiano, aberto à participação da comunidade em geral, tem início às 14h00, com o ponto de encontro marcado para o cimo da Ladeira do Seminário. O percurso passa pela República da Estrela, Departamento de Ciências da Vida da Universidade de Coimbra (antigo Liceu D. João III), Universidade de Coimbra (UC), Couraça de Lisboa e Largo da Portagem. De seguida, o grupo deslocar-se-á em autocarro dos SMTUC (com título de transporte a cargo de cada participante) para a Casa Museu Miguel Torga, onde terminará o circuito, com a visita ao equipamento municipal. A participação na iniciativa requer inscrição (através do telefone nº 239702630 – Casa Municipal da Cultura) e realiza-se com um mínimo de 10 e um máximo de 30 pessoas.

A exposição “Miguel Torga: 1907-1995”, que evoca a vida e a obra do escritor através de documentos que correspondem a uma parte substancial do seu espólio, vai estar patente, a partir de amanhã e até ao dia 17 de março, na Biblioteca Municipal de Coimbra. A mostra é composta, a título de exemplo, por raríssimos manuscritos de poemas conservados por Torga, dactiloscritos de prefácios e de contos (com emendas à mão), primeiras edições – algumas ainda com o nome civil antes do aparecimento do pseudónimo, em 1934 –, traduções para diversos idiomas, bem como cópias de cartas do autor a diversas personalidades, de que é exemplo a carta escrita nas Termas de Monfortinho, em 25 de setembro de 1941, a Vitorino Nemésio. Realce, ainda, para as inúmeras fotografias que estarão patentes, retratando o seu percurso como escritor e médico, fruto de doação da sua filha (Clara Rocha) ao Município de Coimbra, em 2004.

Já na Sala de Exposições Miguel Torga, no primeiro andar da Casa Museu, será inaugurada, às 16h00, a exposição “A melodia da poesia em Miguel Torga”, que apresenta o acervo documental discográfico do escritor, concertado com uma pesquisa fotográfica e bibliográfica sobre a vida e obra de Torga, parte integrante do espólio do escritor doado ao Município de Coimbra. O visitante poderá encontrar discos de vinil com poemas de Torga interpretados pelo poeta, poemas de Torga manuscritos, lidos ou musicados por vários artistas, discos de vinil do gosto do poeta, e um espólio fotográfico que conta, entre outras imagens, com fotografias de Torga na companhia da sua mulher Andrée Crabbé Rocha, do compositor espanhol Ernesto Halffter ou do amigo Sebastião Rodrigues, em Itália, em 1950. A exposição pode ser visitada até ao dia 31 de dezembro de 2019.

A encerrar o programa da evocação dos 24 anos da morte de Miguel Torga vai, ainda, ter lugar, na Casa Museu Miguel Torga, no dia 21 de janeiro, às 17h30, uma conferência intitulada “Coimbra e os seus Poetas”, realizada por José Augusto Bernardes, Professor Catedrático da Faculdade de Letras da UC e Diretor da Biblioteca Geral da UC. A iniciativa resulta de uma coorganização da CM Coimbra e da Cátedra Sousa Fernandes. A entrada é livre.