Convento São Francisco com programação para todos os gostos

Mão Morta & Remix Ensemble, Pedro Burmester e Mário Laginha, TAO Dance Theatre, Takami Nakamoto e Sebastien Benoits, Michael Nyman, Benjamin Clementine e Maria Rita são alguns dos nomes sonantes que fazem parte da programação cultural do Convento São Francisco até junho. O programa é vasto e diversificado, abrangendo várias áreas artísticas. Teatro, dança, circo, cinema, exposições, ilustração, artes digitais e música, de todos os géneros e feitios. Tudo isto está contemplado na programação cultural para o segundo trimestre deste ano.

O Convento São Francisco vai reabrir com a peça de teatro “Bichos”, baseada na obra homónima de Miguel Torga, que estará em cena nos dias 8 e 9 de abril. Uma peça que será reproduzida pela companhia artística O Bando, à semelhança do que aconteceu há 26 anos, então na Igreja de São Francisco. A diferença é que, desta vez, não terá lugar num único espaço, mas sim em vários locais do Convento, permitindo que os espetadores conheçam e se familiarizem com o novo equipamento. Um momento com entrada gratuita que se espera marcante e que dá início a uma programação cultural de excelência para o espaço.

O teatro, neste caso o infantil, marcará a agenda dos dias seguintes, com a peça “Grão de Bico”, do Teatro o Bando (10 de abril); Photomaton, de Fernando Mota (16 de abril); e NANA NANA, de Carla Galvão e Fernando Mota (17 de abril). Até lá, há também teatro para todos, com “António e Maria”, da companhia Teatro Meridional (15 de abril); dança para os mais novos, com o projeto “Cara”, de Aldara Bizarro (15 e 16 de abril); e cinema, com “A Recompensa”, de Arthur Duarte (14, 15 e 16 de abril).

A música passa a ocupar o grande auditório do Convento São Francisco a 16 de abril, com a dupla improvável Mão Morta & Remix Ensemble. Os Mão Morta e esta orquestra clássica vão percorrer os 30 anos de carreira da banda de Braga em 12 temas criteriosamente escolhidos. No mesmo dia, a cantora e compositora norte-americana Josephine Foster vai trazer o folk ao Convento, um género musical que será depois explorado por Joana Guerra, a 17 de abril.

Pedro Burmester e Mário Laginha estão já confirmados para o dia 22 de abril. Dois dos pianistas mais proeminentes do panorama nacional, num concerto que se advinha memorável e que integrará, em jeito de homenagem a um amigo, a música de Bernardo Sasseti. Os dias seguintes são de dança, com destaque para uma estreia em Portugal: um espetáculo promovido pela Tao Dance Theatre, que se realizará no dia 25 de abril. De 26 de abril a 1 de maio são dias dedicados às artes circenses, com uma Mostra Internacional de Novo Circo.

Michael Nyman, uma das mais incontornáveis referências da música clássica e contemporânea, vai passar pelo Convento São Francisco, no dia 14 de maio. O pianista britânico – responsável pela banda sonora do filme “O Piano”, de Jane Campion – regressa, assim, a Portugal, e fará em Coimbra uma das suas três apresentações nacionais (além de Lisboa e Porto).

O jazz chega a 21 de maio, dia em que o Quinteto Sandro Norton toca com Gary Burton, um dos mais conceituados músicos de jazz da cena mundial. Esse dia, e o anterior, serão marcados também pela atuação de Takami Nakamoto e Sebastien Benoits, que garantem um espetáculo único, de combinação da música eletrónica e das artes visuais. Uma espécie de aperitivo para um dos eventos que se pretende âncora do Convento São Francisco: um Festival de Música Eletrónica e Artes Visuais Digitais, cuja data será divulgada oportunamente.

Benjamin Clementine e Maria Rita marcam o programa do mês de junho. O inglês, que foi descoberto a cantar nos corredores do metro, tem esgotado todas as salas por onde passa e promete repetir a proeza, no dia 3 ou 4 de junho, em Coimbra. Já Maria Rita também promete casa cheia. A filha de Elis Regina sobe ao palco do grande auditório do Convento no dia 25 de junho.

 Está assim apresentada uma programação cultural que pretende contribuir para “a promoção da imagem de uma cidade moderna, cosmopolita, atrativa e dinâmica”, pode ler-se na proposta que foi aprovada, no dia 22 de março, por maioria, na reunião extraordinária da Câmara Municipal de Coimbra, realizada no Convento São Francisco.