Praça do Comércio com árvores, esplanadas e controlo de acesso automóvel

A Câmara Municipal (CM) de Coimbra vai avançar com o projeto de execução da empreitada de valorização e revitalização da Praça do Comércio, prevista no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) de Coimbra, num investimento estimado de 474 mil euros. Esta intervenção, cujo projeto foi hoje aprovado na reunião do executivo camarário, visa reabilitar um espaço urbano de grande importância estratégica no enquadramento histórico e turístico da Baixa da cidade, otimizando a sua funcionalidade, potenciando a sua utilização pedonal e melhorando o conforto e a segurança do espaço.

Esta intervenção visa a reparação e correção funcional do espaço central da Praça do Comércio, tendo por base a manutenção dos elementos existentes. A aposta passa, então, pela criação de zonas em lajeado em torno da igreja de S. Bartolomeu que permitam a instalação de esplanadas e de outras atividades de cariz pedonal; pelo controlo do estacionamento automóvel através da introdução de pilaretes fixos e semiautomáticos, impedindo assim o acesso e estacionamento permanente no espaço central da praça; e pelo embelezamento do local, estando prevista a plantação de cinco árvores ornamentais de pequeno porte, mais especificamente magnólias, no tramo mais largo da praça.

A empreitada prevê, ainda, a substituição ou reaplicação das zonas de lajeado que se encontram danificadas; a reparação do dreno que contorna o perímetro da praça; a substituição do material atual, calcário cinza, por lajetas de granito e o alargamento dos corredores transversais ao atravessamento da praça; a revisão do sistema de recolha de lixos domésticos; a reparação das luminárias suspensas e a sua adaptação ao sistema de iluminação LED; e a modernização de alguns troços da rede de drenagem através da criação de um sistema de condutas separativas. Está ainda prevista a montagem de um estrado amovível para a realização de eventos culturais e a criação da infraestrutura elétrica de apoio ao seu funcionamento.

Todas estas alterações pretendem “a melhoria das condições de conforto e segurança da praça, o incremento da utilização pedonal das zonas envolventes da Igreja de S. Bartolomeu, a diminuição da presença de automóveis, permitindo, assim, uma maior dinâmica em torno dos estabelecimentos comerciais e restantes edificações existentes na zona, bem como contribuir de forma decisiva para a agradabilidade geral do espaço”, lê-se na informação que foi à reunião de Câmara. A empreitada está orçada em 446.632,82 euros (a que acresce IVA a 6%).