Ampliação e requalificação das “docas” arranca hoje

O presidente da Câmara Municipal de Coimbra, Manuel Machado, assinou, esta manhã, o auto de consignação da obra de ampliação e requalificação dos edifícios de restauração do Parque Verde do Mondego - margem direita. Os principais espaços de restauração das popularmente conhecidas “docas” vão ser beneficiados através da construção de quatro novos módulos na cobertura – passando a ser ‘duplex’ -, estando também prevista a instalação de esplanadas. Esta empreitada representa um investimento de 824.620,26 euros (IVA incluído) e fica entregue à empresa Garfive Unipessoal, Lda.

Manuel Machado salientou que esta empreitada cruza “duas preocupações significativas: atrair atividade económica ao usufruto de Coimbra, num espaço ímpar que é o Parque Verde do Mondego, intervindo de modo cuidado, permitindo melhorar, aperfeiçoando as condições de operação e de equilíbrio paisagístico”.

O autarca recordou ainda que o projeto de requalificação do Parque Manuel Braga está em desenvolvimento, deixando votos para seja célere de modo a resolver o problema de “um dos sítios mais necessitados de intervenção”.

A empreitada “Parque Verde do Mondego – Margem Direita – Ampliação dos edifícios de restauração e Requalificação dos pisos envolventes”, cujo projeto de ampliação foi elaborado pelo ateliê do arquiteto Camilo Cortesão, vem requalificar uma zona central muito acarinhada pela cidade e prevê uma nova configuração do espaço, que passa a ter 4+1 estabelecimentos, ao invés dos anteriores 3+1 (3 bares/restaurantes mais uma gelataria).

A obra passa também pela construção de quatro módulos idênticos no piso superior, um por cada espaço concessionável de maior dimensão (onde funcionou a gelataria não terá piso superior), adossados à traseira do edifício e ocupando parte do terraço existente. Os quatro volumes vão ter escadas de ligação entre os pisos, com um novo acesso público ao piso térreo, onde cada uma das quatro concessões passará a dispor de instalações sanitárias. As cozinhas serão recolocadas no piso superior, mantendo uma simples copa de apoio, arrecadação e compartimento de lixos no piso térreo. Ao mesmo tempo, as casas de banho públicas existentes vão ser recuperadas.

Cada módulo do piso superior compreende uma nova área envidraçada, a referida cozinha principal de serviço a ambos os pisos, com apoio de monta-cargas e espaços de esplanada. A solução de caixilharia proposta para este piso garante a abertura total dos vãos nas laterais de ligação às esplanadas, possibilitando que a sala possa ser um prolongamento coberto desses espaços exteriores. Relativamente ao lado poente, os pavimentos existentes serão alvo de recuperação e/ou reposição.