Primeiro-ministro e ministro da Saúde admitem, em Coimbra, reflexão sobre o SNS

O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, admitiram que chegou a altura certa para debater o Serviço Nacional de Saúde (SNS). Convicção deixada na tarde de ontem, em Coimbra, no lançamento do livro de António Arnaut e João Semedo: "Salvar o SNS - uma nova lei de bases da saúde para defender a democracia", que decorreu na antiga Igreja do Convento São Francisco.

António Costa afirmou que "é uma excelente altura" para se fazer uma reflexão sobre o SNS, que está próximo de comemorar 40 anos de existência. "Neste momento, quando se comemoram 40 anos do arranque do SNS, é uma excelente altura para fazermos uma reflexão", sublinhou. Já Adalberto Campos Fernandes disse que “está no momento” de conceber uma nova Lei de Bases da Saúde e que estão criadas as condições para avançar com o processo. “Não só da parte do Governo, mas também seguramente dos partidos da Assembleia da República, estão criadas as condições para se abrir o debate”, salientou.

A antiga Igreja do Convento São Francisco, em Coimbra, foi demasiado pequena para receber todos aqueles que quiseram assistir ao lançamento do livro da autoria de António Arnaut e João Semedo, cerimónia que foi aberta pelo presidente da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), Manuel Machado, que saudou os autores de “uma obra importante sobre uma das pedras angulares do Estado Social do nosso país: o SNS”. O autarca agradeceu ainda a escolha de Coimbra para o lançamento “deste contributo para a melhoria da sociedade portuguesa e da vida quotidiana de cada um dos nossos concidadãos”.

O "pai" do SNS, António Arnaut, (ausente por motivos de saúde) e o ex-coordenador bloquista, João Semedo, juntaram-se para propor uma nova Lei de Bases da Saúde, que promete recuperar o SNS e devolver aos cidadãos uma saúde pública digna de uma democracia sã. Além do contributo para uma nova Lei de Bases, os autores divulgam algumas "reflexões sobre a situação atual do SNS e enquadram as suas motivações" para a elaboração da proposta. "Salvar o SNS - Uma nova Lei de Bases da Saúde para defender a democracia" constitui "um contributo valioso para o debate público sobre o Serviço Nacional de Saúde", de acordo com a editora.

Na apresentação do livro “Salvar o SNS” estiveram ainda presentes várias personalidades da cidade e do país, nomeadamente, o vice-presidente da CMC, Carlos Cidade, a vereadora da Cultura da CMC, Carina Gomes, o vereador da CMC, José Manuel Silva, o vice-presidente da Assembleia da República, José Manuel Pureza, o conselheiro de Estado, Eduardo Lourenço, a deputada ao Parlamento Europeu, Marisa Matias, a coordenadora do Bloco de Esquerda e deputada à Assembleia da República, Catarina Martins, o bispo católico emérito das Forças Armadas, D. Januário Torgal, que escreveu o prefácio da obra, Manuel Alegre, que fez a apresentação dos conteúdos do livro, a Bastonário da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, a Bastonária da Ordem dos Nutricionistas, Alexandra Bento, o presidente do Instituto Politécnico de Coimbra, Jorge Conde, o ex-coordenador do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã, a presidente da ARS Centro, Rosa Reis Marques, entre outras personalidade.

 

CMC / LUSA