CMC aprova isenção de IMI para Incubadora do IPN

O executivo camarário aprovou, por unanimidade, na sua reunião da passada segunda-feira, um pedido de isenção de Imposto Municipal de Imóveis (IMI) apresentado pela IPN Incubadora. Esta isenção será submetida a deliberação da Assembleia Municipal de Coimbra que reúne esta tarde no Salão Nobre dos Paços do Concelho. Concretizando-se esta isenção, a mesma representará uma poupança de 15.311,60 euros para a tesouraria da IPN Incubadora.

O edifício sede da atividade da IPN Incubadora tem vindo a gozar, desde a sua entrada em atividade, em 2007, de isenção de IMI, atribuída pelo Município de Coimbra e pela Autoridade Tributária, ao abrigo da Lei 2/2007 (entretanto revogada). Após uma primeira isenção de cinco anos atribuída em 2007, foi concedida uma renovação, por igual período, deliberada pela Assembleia Municipal de Coimbra em 27 de fevereiro de 2013, que acabará no final do corrente ano.

Revogada que está a Lei 2/2007, atualmente é possível enquadrar o novo pedido de isenção à luz da Lei n.º 73/2013. Torna-se assim viável conceder uma nova isenção pelo período de cinco anos, se a mesma for aprovada pela Assembleia Municipal de Coimbra.

Tendo em conta a atividade prévia desenvolvida como unidade do IPN desde 1995, a IPN Incubadora já apoiou a criação de mais de 270 empresas de base tecnológica na cidade de Coimbra. Estas empresas apresentam uma taxa de sobrevivência atualmente superior a 75%, empregam diretamente cerca de 2200 pessoas altamente qualificadas e geram um volume de negócios anual que, em 2016, se aproximou de 150 milhões de euros.