CMC investe 9 milhões de euros anuais no custo social dos transportes

O presidente da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), Manuel Machado, revelou hoje que o Município investe cerca de 9 milhões de euros anuais para assegurar o custo social dos transportes, permitindo, assim, que o valor que os utentes pagam se mantenha inferior ao custo real das viagens. Destes 9 milhões de euros, cerca de 80% tem origem nas subvenções mensais que a CMC transfere para os Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC), sendo o restante oriundo da receita dos parques de estacionamento.

“O custo social dos transportes é a Câmara Municipal de Coimbra que o suporta (…) a média tem sido cerca de nove milhões de euros por ano, incluindo as receitas do aparcamento automóvel”, afirmou hoje Manuel Machado, em declarações aos jornalistas, a propósito da apresentação de quatro miniautocarros novos que vêm reforçar a frota dos SMTUC. Veículos de “qualidade”, como salientou o autarca, caraterística que beneficia passageiros e motoristas.

O presidente da CMC vincou que apoia a luta dos condutores dos SMTUC pela reestruturação de carreiras. “Subscrevo, reafirmo, a necessidade de se criar uma carreira específica para os que se sentam naquele banco [apontando para o banco do condutor] (…) coisa que já houve, mas infelizmente foi alterado.” Manuel Machado destaca a responsabilidade desta atividade, com os motoristas a conduzirem veículos que, com lotação máxima, se aproximam de 100 pessoas no seu interior.

“O trabalho dos profissionais que conduzem uma viatura que pode ir até uma centena de pessoas com as que viajam em pé, tem uma responsabilidade muito grande, tem um grau de exigência, de desgaste, que deve ser compensado”, defendeu. “No caso dos transportes, há necessidade de uma carreira específica que reponha equilíbrio justo para uma atividade profissional que é altamente desgastante”, insistiu.

O autarca descreveu a nova linha criada pelo atual executivo camarário, a Linha do Botânico, que funciona em horário solar, como “um êxito”. “Recomendo vivamente. As pessoas têm um parque de estacionamento com 500 lugares, gratuito, coberto, no Convento São Francisco. Quem se desloca da periferia, pode perfeitamente deixar lá o carro, apanhar a Linha do Botânico e ir até à Universidade”, propôs. “As pessoas podem deixar o carro no Convento São Francisco, circular pela cidade, subir o Botânico, usufruir do Botânico e ir trabalhar, estudar ou fazer o que quiserem.”

Manuel Machado garantiu ainda que está a ser feito um trabalho no sentido de “oferecer comodidades, atrativo suplementar, para incentivar a utilização dos transportes públicos.” Aqui se incluem os painéis de informação em tempo real que já estão nas paragens de autocarros. Vão também ser colocados painéis informativos dentro dos autocarros, proposta uma aplicação para telemóveis, e internet gratuita dentro destes veículos.

Além de Manuel Machado, a apresentação dos 4 miniautocarros contou também com a presença da vice-presidente da CMC, Rosa Reis Marques, e dos vereadores Carlos Cidade, Jorge Alves e Carina Gomes.