Módulos superiores dos bares do Parque Verde do Mondego já têm projeto de execução

O projeto de execução da Ampliação dos Edifícios de Restauração integrados no Parque Verde do Mondego, da autoria do ateliê do arquiteto Camilo Cortesão, foi ontem aprovado por unanimidade, na reunião periódica do executivo municipal. Os serviços camarários poderão agora realizar os procedimentos necessários para poder lançar o respetivo concurso público, que prevê a construção, nos principais espaços de hotelaria/restauração do Parque Verde do Mondego – área que ficou popularmente conhecida como “docas” – de quatro módulos na cobertura, bem com a instalação de esplanadas junto a esses módulos. 

Prevê-se que esta ampliação venha a custar 836.117 euros (c/IVA). A nova solução construtiva foi pensada para responder aos episódios de cheia do rio Mondego. Se ocorrerem inundações no rés-do-chão, os concessionários poderão continuar a sua atividade no primeiro andar. Estes mesmos concessionários também beneficiarão de mais espaço, uma vez que passam a funcionar num “duplex”. Além disso, em vez da configuração de 3+1 estabelecimentos que existiu até aqui, ela será futuramente de 4+1. 

A Câmara Municipal de Coimbra irá, portanto, avançar com a construção de quatro módulos idênticos no piso superior, um por cada um dos 4 espaços concessionáveis de maior dimensão (fica excluído do acrescento o pequeno espaço onde funcionou a gelataria), adossados à traseira do edifício e ocupando parte do terraço existente. Os quatro volumes a construir vão ter escadas de ligação entre os pisos, com um novo acesso de público ao piso térreo. As cozinhas serão recolocadas no piso superior, mantendo uma simples copa de apoio, arrecadação e compartimento de lixos no piso térreo.

Outra novidade é que cada uma das 4 concessões passará a dispor de instalações sanitárias no piso térreo. Ao mesmo tempo, as casas de banho públicas existentes vão ser recuperadas. 

Cada módulo do piso superior compreende uma nova área encerrada envidraçada, a referida cozinha principal de serviço a ambos os pisos, com apoio de monta-cargas e espaços de esplanada. A solução de caixilharia proposta para este piso garante a abertura total dos vãos nas laterais de ligação às esplanadas possibilitando que a sala possa ser um prolongamento coberto desses espaços exteriores.

Relativamente ao lado Poente, os pavimentos existentes serão alvo de recuperação e/ou reposição.