Visitas: 8379 times
Edifício Chiado

O Edifício Chiado, elemento valioso da arquitectura do ferro, é o primeiro pólo do Museu Municipal que paulatinamente se estendeu ao Núcleo da Cidade Muralhada (Torre de Almedina) e à Colecção Louzã Henriques (Galeria do Turismo).

Em 1995 o restauro do Edifício Chiado foi levado a efeito por uma equipa da C.M.C. e o projecto de transformação do edifício em pólo museológico esteve sob a responsabilidade de uma equipa de projectistas liderada pelo Arquitecto Rui Pimentel e pelo historiador Luis Pascoal, assim como a Arquitecta Teresa Freitas, todos eles sensíveis à problemática da instalação de uma colecção de arte num edifício tão singular, tendo-lhe sido devolvido o seu carácter inicial, mantendo os suportes de madeira do último piso onde a partir de Outubro de 2001 funciona o Serviço Educativo.
Em 1998 a Cidade de Coimbra recebe, por doação, uma valiosa e vasta Colecção de Arte sendo condição dos doadores, o casal Maria Emília e José Carlos Telo de Morais, a integração da totalidade do acervo no Edifício Chiado. Surge assim a oportunidade perfeita de recuperar o edifício e reabilitá-lo, transformando-o no 1º pólo Museológico do Museu Municipal.
O projecto de reabilitação do Edifício Chiado e instalação da Colecção Telo de Morais foram co-financiado pela Comunidade Europeia – Feder, através do QCA III – Programa Operacional da Região Centro. O Edifício está classificado como imóvel de Interesse Público por Diário da República nº 42 de 19.02.2002.
O espaço cultural alberga um valioso acervo artístico coleccionado ao longo de mais de quatro décadas, doado à Cidade de Coimbra pelo casal Maria Emília e José Carlos Telo de Morais.
O acervo do Museu consta de seis núcleos – pintura, mobiliário, cerâmica, escultura, pratas e outras peças heterogéneas – distribuídos pelos três andares do edifício, destinando-se o rés-do-chão à realização de exposições temporárias.
Do conjunto de obras de pintura expostas, destacam-se as dos autores portugueses do séc. XIX e da primeira metade do séc. XX e, ainda, um pequeno grupo de obras alusivas à temática religiosa, dos séculos XVII e XVIII.
O mobiliário, português e indo-português, transporta o visitante aos séculos XVII e XVIII, merecendo destaque: um contador, um ventó, uma cama filipina e uma rara cadeira de escritório, época de D. José. Do séc. XVI realce-se, ainda, um cofre de arte Namban, do período Momoyama.
No que respeita à cerâmica, embora marque presença um grupo de cerâmica europeia, do séc. XVI, é a cerâmica chinesa que predomina no Museu.
O visitante poderá apreciar peças de porcelana chinesa, das dinastias Ming e Qing, e algumas peças do séc. XIX. No conjunto da China distinguem-se algumas peças raras e uma, da dinastia Yuan, aquamanil em forma de leão, considerada raríssima.
O núcleo de escultura é composto, quase na totalidade, por arte sacra. Além de esculturas em relevo de Espanha (madeira), Flandres (alabastro) e China (madrepérola), todas as restantes, de madeira, barro ou marfim, são portuguesas ou indo-portuguesas.
Do conjunto de pratas, releva-se um conjunto diversificado dos Séculos XVIII e XIX, de que merece especial menção uma salva da baixela de D. João V, um par de castiçais de da mesma época, um serviço de chá “bico de pato” e um paliteiro de formato invulgar.

Ver história e arquitectura do Edifício Chiado

Imagens do edifício



Recortes de imprensa

Local: Rua Ferreira Borges, 3000 Coimbra
Tel.: 239 840 754
Fax: 239 840 755
E-mail: museu.municipal@cm-coimbra.pt
Face Book