CMC atribui perto de 170 mil euros a cinco IPSS do concelho

O executivo da Câmara Municipal de Coimbra (CMC) aprovou, na sua última reunião, propostas para apoios financeiros a cinco Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do concelho, no valor global de 169.121,68 euros. Os valores foram definidos no âmbito do Regulamento Municipal para Atribuição de Apoios na Área Social (RMAAAS), que foi aprovado e entrou em vigor no final do ano passado.

As IPSS contempladas são: Banco Alimentar Contra a Fome de Coimbra (6375 euros), com aprovação por unanimidade. Os restantes apoios foram aprovados por maioria: Centro Social de Torres do Mondego (38.858,16 euros), Centro de Bem Estar Social de Brasfemes (65.832,80 euros), Associação Sócio Cultural São Bento (52.697,84 euros) e Associação Portuguesa para as Perturbações de Desenvolvimento e Autismo de Coimbra – APPDA de Coimbra (5357,88 euros).

A maior parte da verba atribuída destina-se a obras de construção, recuperação ou beneficiação dos espaços das IPSS. O único apoio financeiro que não tem esse fim foi solicitado pelo Banco Alimentar Contra a Fome de Coimbra. O Banco Alimentar solicita o apoio para poder continuar a desenvolver a sua atividade, que passa pela “recolha e encaminhamento de produtos alimentares, respetiva triagem e armazenagem, bem como controlo de qualidade e armazenamento em frio”.

O Banco Alimentar não distribui os produtos diretamente às pessoas carenciadas, mas faz toda a operação logística, contando com a colaboração de 53 entidades sediadas em dez freguesias do concelho. “O Banco Alimentar Contra a Fome de Coimbra tem sido ao longo dos últimos anos uma instituição de referência no concelho no apoio alimentar (…)”, pode ler-se na informação camarária.

O apoio financeiro de 38.858,16 euros para o Centro Social de Torres do Mondego destina-se à renovação do seu equipamento social, intervenção que ficou concluída em 2016, dispondo agora a IPSS de “todas as condições para receber e cuidar das crianças, com a qualidade exigida pelas diversas entidades de supervisão e desejada pelas famílias”, lê-se na informação. A IPSS desenvolve três respostas sociais: de creche (com capacidade para 35 crianças), de jardim-de-infância (42 crianças) e Centro de Atividades de Tempos Livres (32 crianças). 

Já o Centro de Bem Estar Social de Brasfemes, que desenvolve respostas sociais para 60 idosos, seja em Centro de Dia (com capacidade para 30 idosos) ou Serviço de Apoio Domiciliário (30 idosos), e para 20 crianças na valência de Atividades de Tempos Livres, irá receber 65.832,80 euros para a construção de uma Estrutura Residencial para a População Idosa (ERPI). A IPSS já tem o projeto para a construção da ERPI aprovado. Com o défice de respostas de acolhimento de 24 horas para pessoas idosas, esse equipamento poderá dar resposta às necessidades sentidas pela população mais idosa da freguesia de Brasfemes.

Por seu turno, a Associação Sócio Cultural de São Bento pretende apoio financeiro para a edificação de um equipamento social que lhe permita desenvolver três respostas sociais: Centro de Dia (com capacidade para 25 pessoas), Serviço de Apoio Domiciliário (40 pessoas), e ERPI (7 pessoas). São 52.697,84 euros de apoio financeiro que auxiliará a IPSS a construir o seu equipamento social, assegurarando, assim, “respostas sociais dirigidas a pessoas idosas, com condições apropriadas e segurança necessária”, lê-se na informação. Recorde-se, ainda, que em fevereiro deste ano, a CMC aprovou a constituição de um direito de superfície a favor da associação, tendo em vista, precisamente, a construção do equipamento social.

Os restantes 5357,88 euros destinam-se à APPDA de Coimbra, para apoiar a realização de obras de beneficiação do seu equipamento social, que se encontra a funcionar no edifício da escola do 1.º Ciclo do Ensino Básico do Casal da Misarela. Um apoio que, lê-se na informação, “possibilitará que pessoas portadoras de deficiência que frequentem as respostas sociais de Centro de Atividades Ocupacionais e Centro de Ocupação dos Tempos Livres, implementadas pela APPDA de Coimbra, possam usufruir de condições apropriadas e em segurança para a realização de atividades de cada uma das respostas sociais mencionadas”.

A APPDA de Coimbra “tem como missão garantir respostas específicas e individualizadas a pessoas portadoras de perturbações no desenvolvimento e autismo e às suas famílias”, nomeadamente em Centro de Atividades Ocupacionais (capacidade para 10 pessoas), Centro de Ocupação dos Tempos Livres (20 pessoas) e Residência Autónoma (5 pessoas).