Município investe mais de 156 mil euros no funcionamento do pré-escolar e 1.º ciclo

O executivo da Câmara Municipal de Coimbra (CMC) aprovou, por unanimidade, na sua reunião de ontem, uma proposta de apoio financeiro ao funcionamento dos estabelecimentos de educação do pré-escolar e do 1.º Ciclo do Ensino Básico (CEB) da rede pública. Neste caso, ao nível das atividades de complemento curricular para os alunos abrangidos pela Ação Social Escolar, no montante global de 156.620 euros para o ano letivo 2017/2018.

A verba, que será entregue aos seis Agrupamentos de Escolas do concelho, destina-se especificamente às telecomunicações, equipamento e material didático utilizado nos estabelecimentos e à comparticipação das visitas de estudo realizadas pelos 2509 alunos dos 1º, 2º e 3º escalões do abono de família que frequentam o pré-escolar e o 1.º Ciclo da rede pública concelhia.

A autarquia propõe-se, assim, a suportar o custo médio do telefone, que se fixa em 14,5 euros por mês, e do acesso à internet, de 21 euros por mês, dos jardins-de-infância e escolas do 1.º CEB da rede pública, num total de 20.526 euros para as telecomunicações. Um montante que, tal como os outros, será distribuído pelos seis Agrupamentos de Escola do concelho: Coimbra Centro, Coimbra Oeste, Coimbra Sul, Eugénio de Castro, Martim de Freitas e Rainha Santa Isabel.

Já relativamente à comparticipação financeira das despesas com o material didático e o equipamento de apoio ao funcionamento do pré-escolar e do 1º CEB, a proposta tem em conta o número de crianças de cada estabelecimento e cifra-se no montante global de 85.914 euros para o ano letivo 2017/2018. Uma verba que é calculada tendo em conta o valor anual fixado para cada aluno, de 18 euros, sendo que no caso de alunos das unidades de apoio à deficiência duplica (36 euros). 

No que diz respeito à Ação Social Escolar, a CMC pretende apoiar as atividades de complemento curricular dos 2509 alunos dos 1.º, 2.º e 3.º escalões do abono de família que frequentam o pré-escolar e o 1.º Ciclo da rede pública concelhia, com um valor global de 50.180 euros para o ano letivo que se vai iniciar. O montante destina-se a garantir as visitas de estudo desses alunos, atividade que a CMC considera ser “uma mais-valia no processo de ensino e aprendizagem, favorecendo a aquisição de conhecimentos através da interligação entre a teoria e a prática, a escola e a realidade”, lê-se na informação.

Recorde-se ainda que a CMC vai proceder à aquisição dos cadernos de exercícios para todos os alunos do 1.º CEB da rede pública concelhia, que serão distribuídos no arranque do ano letivo 2017/2018.