Coimbra participou em debate sobre o papel das cidades no desenvolvimento sustentável do espaço europeu

A Câmara Municipal de Coimbra (CMC) participou ontem no Seminário Nacional sobre o tema “Pensar a Cidade: A Dimensão Urbana no Desenvolvimento Sustentável”, que decorreu na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, organizado pela Direção Geral do Território e promovido pelo Ponto URBACT Nacional e pelo Fórum das Cidades. Uma iniciativa que reuniu decisores políticos e técnicos, de nível local, nacional e europeu, “numa reflexão sobre a dimensão urbana e o papel das cidades no desenvolvimento sustentável do espaço europeu e na coesão territorial, com particular atenção sobre a Agenda Urbana para a União Europeia e as experiências das cidades portugueses em algumas das suas parcerias, bem como em redes URBACT III”, lê-se numa nota da organização do seminário.

A maioria da população, das atividades económicas e da riqueza encontra-se, hoje em dia, nas cidades. São elas “os lugares de maior potencial para a dinamização do crescimento económico e do emprego, da competitividade e da inovação”, mas também “os lugares onde se concentram maiores problemas ambientais e fenómenos de exclusão e polarização social, com consequências severas para a qualidade de vida dos seus cidadãos e para a coesão do tecido social”, lê-se na apresentação do evento. Um problema que deu o mote ao seminário de ontem, que promoveu o debate sobre temas tão atuais como a Nova Agenda Urbana – um documento adotado, à escala mundial, pelos Estados Membros da ONU, que vai orientar a urbanização sustentável nos próximos 20 anos – e as redes europeias de cidades URBACT III.

Coimbra está integrada na rede URBACT III (um programa europeu de aprendizagem e troca de experiências na promoção do desenvolvimento urbano sustentável), participando ativamente no projeto europeu GEN-Y-CITY, que visa dar resposta às necessidades de emprego da chamada geração Y (nascidos desde 1980), incluindo no seu programa de ação um conjunto de atividades direcionadas ao apoio dos jovens e às empresas criativas, como forma de reavivar os centros urbanos. Esse foi o tema abordado pela Câmara Municipal de Coimbra na sua apresentação, inserida no painel I “Economia local e emprego, experiências URBACT”.

Recordamos, ainda, que Coimbra acolheu, nos passados dias 30 e 31 de março, um encontro da rede URBACT “Gen-Y-City”, que reuniu na cidade cerca de meia centena de representantes das 12 cidades europeias que compõem esta rede, sendo elas, para além de Coimbra e da cidade líder, Poznan (Polónia), as cidades de Granada (Espanha), Wolverhampton (Reino Unido), Klaipeda (Lituânia), Génova (Itália), Kristiansand (Noruega), Bolonha (Itália), Nantes (França), Torun (Polónia), Sabadell (Espanha) e Daugavpils (Letónia). Os participantes consideraram a jornada de trabalho de Coimbra bastante produtiva e interessante. A conjugação das visitas planeadas com as diversas sessões de trabalho, tornaram - na opinião do consultor internacional que acompanha o projeto, Jim Sims -, a reunião de Coimbra num dos melhores encontros internacionais realizados no âmbito deste projeto.

O Seminário Nacional “Pensar a Cidade: A Dimensão Urbana no Desenvolvimento Sustentável”, que ontem decorreu em Lisboa, contou com a participação da secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, Célia Ramos, e do secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes. 

Mais sobre o URBACT

Sob o lema “Connecting cities, building successes”, o URBACT é um programa europeu de aprendizagem e troca de experiências na promoção do desenvolvimento urbano sustentável, que visa promover e financiar a constituição de redes de cidades que trabalhem no desenvolvimento de soluções comuns para os desafios urbanos contemporâneos.

O URBACT apoia, pois, as cidades no desenvolvimento de soluções pragmáticas, inovadoras e sustentáveis que integrem igualmente as dimensões económica, social e ambiental. Até agora, o URBACT já reuniu cerca de 700 parceiros em mais de 60 projetos em rede, em 29 países, e mais de 7 mil participantes ativos.

O programa é cofinanciado pela União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), com uma taxa de 85%. O orçamento global do projeto para todos os parceiros ascende a 649.990 euros, com uma taxa de cofinanciamento de 85%, sendo que a fatia que cabe a Coimbra é de 50 mil euros.