Ciclo de Requiem internacionaliza-se e cresce em número de concertos

O VII Ciclo de Requiem Coimbra 2019, que visa promover, executar e divulgar a música coral e instrumental, realiza-se nos próximos dias 23 e 31 de março, 6, 12 e 19 de abril e 6 de setembro, com concertos em diferentes espaços da cidade. Um evento promovido pela Associação Ecos do Passado (através do Coro Sinfónico Inês de Castro) e apoiado pela Câmara Municipal (CM) de Coimbra, que aposta este ano, pela primeira vez, na sua internacionalização, com a realização de um concerto em Rzeszów, na Polónia, a 12 de abril, que depois se repetirá a 6 de setembro, em Coimbra, no Convento São Francisco. A vereadora da Cultura da CM Coimbra, Carina Gomes, participou, esta manhã, na conferência de imprensa de apresentação do evento.

“Esta edição tem seis concertos e uma vertente de internacionalização. O Coro Sinfónico Inês de Castro vai à Polónia no dia 12 de abril [interpretar a Messa da Requiem, de Verdi, com o Coro da Universidade Rzeszów e a Orquestra Filharmonia Podkarpacka], e esse concerto repete-se no dia 6 de setembro no Convento São Francisco [desta vez, com a Orquestra Inês de Castro]”. Carina Gomes começou assim a sua intervenção, esta manhã, na Casa Municipal da Cultura, destacando o programa deste VII Ciclo de Requiem e recordando que o evento conta com “o apoio da Câmara Municipal de Coimbra desde a sua primeira edição (…) por ser uma iniciativa singular no panorama cultural da música coral sinfónica”.

A vereadora da Cultura da CM Coimbra congratulou-se, então, com o aumento do número de concertos e a internacionalização do evento e deixou um elogio à direção do Coro Sinfónico Inês de Castro. “Os meus parabéns por este salto quantitativo, pelo número de concertos, mas sobretudo qualitativo, pela internacionalização”, sublinhou Carina Gomes. O elogio da autarca foi retribuído pela presidente da direção e pelo maestro do Coro Sinfónico Inês de Castro, respetivamente Maria do Castelo Gouveia e Artur Pinho Maria, que realçaram a importância do apoio da CM Coimbra ao evento, desde a sua estreia, o que permitiu que ele fosse já na sua sétima edição. Maria do Castelo Gouveia revelou, ainda, que uma ambição para esta edição é o crescimento do número de espectadores. “O ano passado tivemos cerca de 1800 pessoas a assistir. Este ano temos mais um concerto e queremos crescer”, afirmou.

O VII Ciclo de Requiem Coimbra 2019 vai contemplar seis concertos, que contam com a participação de cinco grupos corais, quatro orquestra e oito solistas, sob direção de quatro maestros. O primeiro decorre a 23 de março, pelas 21h30, no Conservatório de Música de Coimbra, com o Coro e a Orquestra da Universidade do Minho a interpretarem o Requiem de Karl Jenkins. Segue-se, a 31 de março, pelas 18h00, um concerto de música barroca e renascentista portuguesa, interpretado pelos Moços do Coro, sobre Inéditos de Música para a Quaresma, de D. Pedro de Cristo e sobre o Requiem de Duarte Lobo, na Capela de São Miguel da Universidade de Coimbra. No dia 6 de abril, pelas 21h30, o Coro do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro e a Orquestra Filarmonia das Beiras apresentam a Paixão Segundo São João, de Bach, no Conservatório.

No dia 12 de abril, o Coro Sinfónico Inês de Castro interpreta, juntamente com o Coro da Universidade de Rzeszów e a Orquestra Filharmonia Podkarpacka, o Requiem de Verdi, em Rzeszów, na Polónia, voltando a apresentar a mesma obra a 6 de setembro, pelas 21h30, no grande auditório do Convento São Francisco, com a participação do coro polaco. Já a 19 de abril, vai decorrer no grande auditório do Convento São Francisco a primeira audição em Portugal da obra "Requiem for the living", do compositor contemporâneo Dan Forrest, com interpretação a cargo do Coro Sinfónico Inês de Castro e da Orquestra Inês de Castro, sob regência do maestro Artur Pinho Maia.