Feira das Cebolas anima Praça do Comércio de 11 a 18 de agosto

A Praça do Comércio, em Coimbra, acolhe a 33.ª edição da Feira das Cebolas, de 11 a 18 de agosto, uma reposição da antiga Feira de S. Bartolomeu, que conta séculos de existência. Com abertura oficial amanhã, dia 11, pelas 22h00, a Feira das Cebolas animará a antiga Praça Velha durante oito dias, fruto de uma coorganização da Câmara Municipal de Coimbra e da Associação Grupo Folclórico “Os Camponeses de Vila Nova de Cernache”.

No período diurno, o espaço acolherá aqueles que cultivam a terra na freguesia de Cernache. Aos ceboleiros, que venderão as tradicionais tranças de cebolas, juntam-se, no período noturno, outro tipo de ações, que visam promover a gastronomia e a doçaria locais mas, acima de tudo, o folclore e etnografia da região do Mondego, através das atuações diárias que o evento integra.

O programa cultural é diversificado, com muita animação em todas as noites, com destaque para as “tasquinhas” que apresentam iguarias de cariz tradicional. Também se pode esperar venda de artesanato e brinquedos, a realização de jogos tradicionais e muita animação musical, com a presença de 15 grupos folclóricos e uma noite de Fado.

A venda das tranças de cebolas cria um cenário secular, de caraterísticas muito peculiares, que atrai não apenas a população local mas, também, os turistas que nos visitam. A 33.ª Feira das Cebolas fomenta, assim, a partilha de tradições entre turistas e conimbricenses, fator que tem cativado a crescente participação na iniciativa.

O programa da noite da inauguração do certame (11 de agosto) integra, a partir das 22h15, três atuações. A primeira, pelo Rancho Folclórico Vilarinho das Quartas (Arcos de Valdevez), seguida de uma atuação do Rancho Folclórico Ceifeiras e Campinos de Azambuja (Ribatejo), terminando com a presença do Grupo Folclórico de São Pedro de Rates (Porto).

No domingo, 12 de agosto, sobe ao palco, às 21h30, o Grupo de Danças e Cantares de Alfena (Porto) e pelas 22h20 é a vez do Grupo de Concertinas “Sons de Casconha” (Casconha).

O Grupo Folclórico As Tecedeiras de Almalaguês proporcionará, na segunda-feira (dia 13), com início pelas 22h15, muita animação para essa noite.

Para 14 de agosto estão previstas as atuações do Grupo Folclórico Etnográfico da Ribeira da Mata (Soure), pelas 21h30, e do Grupo de Concertinas “Foles e Cantorias de Santa Clara” (Coimbra), pelas 22h20.

No feriado de 15 de agosto, a partir das 22h15, a animação caberá ao Grupo Folclórico da Macieira (Leiria) e, pelas 23h00, ao Grupo Folclórico Danças e Cantares da Associação Cultural de Vilarinho.

Para a noite de quinta-feira, 16 de agosto, estão previstas duas atuações. Pelas 22h15, pelo Grupo Etnográfico da Casa do Pessoal do HUC (Coimbra) e, pelas 23h00, pelo Grupo de Cordas Castiças do Centro Cultural Desportivo e Social de São Frutuoso.

A entrar no fim de semana, a Praça do Comércio recebe, no dia 17 de agosto, uma atuação, agendada para as 21h45, do Grupo Folclórico de Soutos (Caranguejeira). A partir das 22h30, segue-se Alcides Matias que proporcionará uma noite de Fados.

Três grupos encerram o evento, no dia 18 de agosto (sábado): o Rancho Folclórico e Etnográfico de Ponte da Barca (Viana do Castelo), com atuação às 22h00, a que se seguirão o Rancho Folclórico e Etnográfico de Cernache do Bom Jardim (Castelo Branco) e o grupo anfitrião – “Os Camponeses de Vila Nova” – que encerra.

A Feira das Cebolas realiza-se desde 1986 na Praça do Comércio, mas a festa que lhe deu origem, a Feira de S. Bartolomeu, remete a 1377, data em que D. Fernando outorgou à cidade de Coimbra a execução de uma feira franca, de 15 de setembro a 15 de agosto.

A sua localização foi variando ao longo dos séculos, mas o seu propósito foi-se mantendo: a feira destinava-se, essencialmente, ao escoamento de cebolas que eram produzidas em grandes quantidades nos campos de Sernache dos Alhos, hoje Cernache. Os camponeses instalavam-se, pernoitavam no local e vendiam as suas cebolas, conseguindo um bom “pé de meia”. A eles juntavam-se outros negociantes, de louças de barro, brinquedos em madeira e de lata, utilidades domésticas e produtos agrícolas.

A CMC reconhece a importância do evento e tem coorganizado a feira com a associação, auxiliando com apoio financeiro e logístico. O apoio financeiro referente a esta edição é de mil euros, enquanto o logístico se estima em 5739,95 euros. A autarquia isenta ainda a associação do pagamento de taxas municipais, com um custo previsto de 380 euros.