Repúblicas dos Fantasmas e Rápo-Táxo reconhecidas como entidades de interesse histórico e cultural

O executivo da Câmara Municipal (CM) de Coimbra aprovou, na reunião que decorreu esta tarde, duas propostas de reconhecimento da Associação da República dos Fantasmas e da Associação Real República Rápo-Táxo como entidades de interesse histórico e cultural ou social local, nos termos e para efeitos do disposto no n.º 1 do artigo 6º da Lei n.º 42/2017, de 14 de junho. Ambas as repúblicas viram a intenção das suas candidaturas serem aprovadas no dia 7 de maio pelo executivo camarário, não tendo dado entrada na CM Coimbra quaisquer sugestões ou participação no âmbito do período de consulta pública, de 20 dias, que terminou a 6 de julho.

As duas repúblicas, a dos Fantasmas e a Rápo-Táxo, apresentaram as candidaturas ao abrigo do “Regime de reconhecimento e proteção de estabelecimentos e entidades de interesse histórico e cultural ou social local” no passado mês de abril, tendo ambas entregue os documentos solicitados para o efeito na CM Coimbra.

Na reunião do executivo camarário, de 7 de maio, foi aprovada a intenção de reconhecimento de ambas as repúblicas, tendo esta decisão sido submetida a um período de consulta pública, de 20 dias. Nesse período, que decorreu até 6 de julho, não deu entrada na CM Coimbra quaisquer sugestões ou participação pública, pelo que o executivo camarário aprovou esta tarde o reconhecimento.

Estas duas repúblicas de estudantes são históricas para a cidade de Coimbra – a primeira foi fundada em plena Crise Académica, em 1969, e a segunda é ainda mais antiga, de 1956 – que foram incluídas na candidatura da Universidade de Coimbra, Alta e Sofia a Património Mundial da UNESCO, integrando assim as áreas classificadas e envolventes.