Câmara garante entradas gratuitas na Feira Popular 2018

O executivo da Câmara Municipal de Coimbra (CMC) aprovou, por maioria, com os votos contra dos vereadores José Manuel Silva e Ana Bastos, na sua reunião de ontem, uma proposta de apoio à realização da Feira Popular de Coimbra 2018, de forma a garantir que a mesma seja de entrada gratuita para todo o público, à semelhança da edição do ano passado. O certame vai decorrer de 29 de junho a 15 de julho, na Praça da Canção, e contará com um apoio financeiro da autarquia superior a 72.000 euros.

A Feira Popular de Coimbra é organizada pela União de Freguesias de Santa Clara e Castelo Viegas e conta com o apoio da CMC, que reconhece interesse municipal a este evento, por fazer já parte do imaginário de muitas gerações da região, por conter uma vertente de diversão transversal a todas as idades e estratos sociais e por movimentar a população, em grande número. Um evento que conquistou o seu espaço no calendário da animação urbana e que coincide com outra celebração que marca a agenda da cidade, as Festas da Cidade de Coimbra e da Rainha Santa Isabel.

O certame contará com um apoio financeiro da autarquia de 72.796,20 euros: 21.802,45 euros referentes a isenção de taxas municipais e outros apoios prestados pelas diferentes unidades orgânicas da CMC e 50.993,75 euros de apoio financeiro no sentido de possibilitar que as entradas na feira sejam gratuitas.

Este último valor tem por base a informação sobre o valor arrecadado com as entradas no evento nas edições de 2014, 2015 e 2016. O apoio será oficializado ao abrigo de um contrato interadministrativo, a outorgar pela CMC e pela União de Freguesias de Santa Clara e Castelo Viegas.

O restante apoio da CMC à iniciativa soma 21.802,45 euros. Desse valor, a maior fatia (de 6979 euros) diz respeito à Divisão de Ambiente, que vai realizar a habitual limpeza e recolha de resíduos urbanos no recinto. O apoio da autarquia diz ainda respeito à Divisão de Infraestruturas, Espaço Público e Trânsito (1474,70 euros); às despesas indexadas ao Gabinete de Serviços Especiais, no qual se incluem os consumos de eletricidade (6400 euros); ao serviço prestado pela Polícia Municipal (5854,80 euros); pela Divisão de Espaços Verdes e Jardins (295,20 euros); e na isenção de taxas (798,75 euros).