Miguel Torga foi recordado na data do seu falecimento

Miguel Torga foi ontem recordado em várias iniciativas, de entrada livre, promovidas pela Câmara Municipal de Coimbra (CMC) para assinalar os 23 anos da sua morte. A programação evocativa contou com a realização de um roteiro pelos locais ligados às vivências do escritor na cidade, a apresentação das gravuras “Bichos”, do artista plástico ZAUG, uma tertúlia, e a inauguração da exposição documental “Torga e os outros: correspondência e autógrafos”, que revela algumas cartas que escreveu aos seus amigos e livros autografados que integram a sua biblioteca pessoal. O acesso à Casa-Museu Miguel Torga também foi gratuito durante o dia de ontem.

Miguel Torga, pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha, nasceu em Sabrosa, Vila Real, no dia 12 de agosto de 1907, e morreu em Coimbra, onde tirou o curso de Medicina e passou grande parte da sua vida, no dia 17 de janeiro de 1995. Foi um dos mais influentes poetas e escritores portugueses do século XX e, por isso mesmo, a CMC fez questão de recordá-lo ontem, 23 anos depois da sua morte, através de uma programação evocativa, de acesso livre a todos os interessados, que promovesse o legado do escritor. 

A Casa-Museu Miguel Torga esteve, por isso, de portas abertas, e com acesso gratuito, a partir das 14h30, possibilitando que todos os interessados conhecessem a obra literária do escritor e objetos pessoais, relacionados com a sua identidade e personalidade.

A CMC organizou ainda o Roteiro Miguel Torga, que contou com mais de 30 participantes. O percurso partiu da Ladeira do Seminário (onde se situa a República Estrela de Alva, que Torga frequentou enquanto estudante de Medicina), seguindo para o antigo liceu D. João III e, depois, para o Paço das Escolas. Seguiu em direção ao Largo da Portagem, onde foi feita referência ao consultório e ao monumento a Miguel Torga, e depois para o Largo das Ameias. E aí, um autocarro, transportou os participantes até à Casa-Museu Miguel Torga, onde terminou o circuito, com uma visita guiada ao espaço.

Já ao final da tarde, pelas 18h00, foram apresentadas as gravuras “Bichos”, editadas pela CMC, inseridas num porta-documentos, concebidas a partir das 16 obras pintadas pelo artista plástico ZAUG (José Augusto Coimbra, médico e pintor, residente em Arganil). As gravuras são uma reprodução dos quadros que integraram a exposição “Nós e os Bichos”, de ZAUG, que já esteve patente na Casa-Museu, em 2016. As pinturas vão continuar à venda na Casa-Museu Miguel Torga e em outros locais afetos à CMC, nomeadamente, na Biblioteca Municipal de Coimbra e no Posto Municipal de Turismo, pelo valor de 5,00€ a unidade (IVA incluído).

Seguiu-se uma tertúlia, enquadrada na temática “Bichos”, em que participaram um grupo de admiradores e estudiosos da obra de Miguel Torga. E a programação terminou com a inauguração da exposição documental “Torga e os outros: correspondência e Autógrafos”, que revela os bastidores da relação do escritor com alguns dos seus amigos, por meio de cartas que escreveu e dos livros autografados que integram a sua biblioteca pessoal.