Grupo Iterum levou a Canção de Coimbra ao jardim da Casa da Escrita

O jardim Casa da Escrita da Câmara Municipal de Coimbra (CMC) acolheu, ontem à tarde, um concerto protagonizado pelo Grupo Iterum, criado e composto por Diogo Alves (guitarra clássica) e Guilherme Catela (guitarra portuguesa), dois estudantes da Universidade de Coimbra. O duo interpretou fados tão conhecidos como “Saudades de Coimbra” e “Trova da Planície”, mas também apresentou à plateia uma peça da sua autoria, “Valsa n.º 1 – Angústia”, num espetáculo que mereceu muitos aplausos do público presente. O grupo Iterum, que contou com a colaboração de um cantor amigo, Manuel Moura Pinheiro, encerrou assim o ciclo “Concertos no Jardim”, promovido pela CMC.

Depois do jardim da Casa da Escrita ter recebido a atuação do Grupo de Câmara da Orquestra Clássica do Centro no passado dia 24 de agosto, ontem acolheu o concerto do Grupo Iterum, terminando, assim, a iniciativa “Concertos no Jardim”. Um evento promovido pela CMC, que procurou proporcionar a quem visita o espaço da Casa da Cultura uma programação diferente do habitual, ampliando a oferta deste equipamento e dinamizando este espaço cultural de Coimbra. Os dois concertos tiveram entrada livre.

O grupo Iterum, que ontem ofereceu um espetáculo fantástico às dezenas de pessoas que estiveram no jardim da Casa da Escrita, foi desenvolvido por dois estudantes, Diogo Alves e Guilherme Catela, com o objetivo de aprofundarem o seu conhecimento sobre a canção de matriz coimbrã – nomeadamente fados, guitarradas, baladas e baladas à viola – e assim poderem dar vida a alguns temas que, com o passar dos anos, foram caindo no esquecimento.

Os dois músicos estudaram diferentes estilos musicais, mas atualmente dedicam-se, em exclusivo, ao estudo da Canção Coimbrã. Este duo, de cariz eminentemente instrumental, pretende ser inovador, criativo e pautar o seu trabalho pela qualidade musical, contando já com diversos temas e arranjos originais.

No final do concerto, o curador da Casa da Escrita, António Vilhena, entregou uma lembrança da CMC aos músicos. “Na Casa da Escrita, oferecem-se livros”, afirmou o curador, agradecendo ao duo e a Manuel Moura Pinheiro a disponibilidade para a realização deste concerto.