Exposição Metamorfoses, de Arpad Szenes, até 3 de setembro no Edifício Chiado

A vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), Carina Gomes, inaugurou hoje, em conjunto com Rui de Alarcão, presidente do Conselho-geral da Fundação Inês de Castro, em representação de Cristina Castel-Branco, diretora do Festival das Artes, e a curadora Marina Bairrão Ruivo, da Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva, a exposição “Metamorfoses”, de Arpad Szenes.

Esta exposição estará exposta até 3 de setembro na Galeria de Exposições Temporárias do Museu Municipal no Edifício Chiado (na Rua Ferreira Borges, 85) e está integrada na 9.ª edição do Festival das Artes, este ano dedicado ao tema “Metamorfoses”, que decorre até ao próximo dia 23 de julho, com organização da Fundação Inês de Castro e apoio da CMC.

A vereadora Carina Gomes começou por dar as boas-vindas ao Museu Municipal de Coimbra, acrescentando que “é uma honra receber aqui esta belíssima exposição”. “Todos os conimbricenses e todos os que vêm de fora deverão entrar para conhecer esta obra”, salientou. “Um agradecimento especial à Fundação Inês de Castro também por permitir que a CMC se associe desta forma tão intensa à organização e à realização do Festival das Artes e, neste caso específico, um agradecimento à Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva por nos permitir acolher aqui estas obras”, concluiu Carina Gomes.

Rui de Alarcão recordou o texto de Cristina Castel-Branco, intitulado Nove Metamorfoses no Festival das Artes, e citou a última frase do mesmo: “Este é o sincero desejo da equipa do Festival das Artes, que o agradece ao público, aos mecenas e ao primeiro de todos, a Câmara Municipal de Coimbra”, pois “sem a CMC, nada feito”, acrescentou Rui de Alarcão.

Já a curadora Marina Bairrão Ruivo agradeceu à organização o convite e confessou que foi o tema Metamorfoses que mais a seduziu, dada a ligação da obra de Arpad Szenes a esta temática, tendo iniciado depois uma explicação sobre a vida e obra de Arpad Szenes e sua companheira Maria Helena Vieira da Silva.

A produção desta exposição foi feita em parceria pela CMC, Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva e Fundação Inês de Castro e apresenta 43 obras (desenhos, guaches e óleos datados entre 1932 e 1954), da autoria de Arpad Szenes, da coleção da Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva sobre o tema da Metamorfose.

Arpad Szenes teve, desde muito cedo, um grande fascínio pela obra de Kafka, A Metamorfose, na qual o corpo se torna estranho ao homem que o habita. A metamorfose foi uma problemática que tocou quase todos os artistas surrealistas, Arpad Szenes em particular, num período em que esteve ligado ao movimento surrealista em Paris.

A visita à exposição é gratuita. 

 

Horário: terça a sexta-feira – 10h00/18h00; sábados e domingos – 10h00 – 13h00 e 14h00 – 18h00. Encerra às segundas-feiras e feriados.