Festival das Artes mostra que o país não é só "Lisboa e o resto é paisagem"

O presidente da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), Manuel Machado, declarou aberta, esta tarde, a 9.ª edição do Festival das Artes, na “praça” do Museu Nacional Machado de Castro. A festa da cultura, organizada pela Fundação Inês de Castro e que tem a CMC como mecenas, começou hoje e prolonga-se até ao próximo dia 23 de julho. “Como presidente da Câmara Municipal de Coimbra agradeço sinceramente a todos os que se empenharam em fazer este caminho, em mostrar que Portugal não é só Lisboa e o resto é paisagem”, enalteceu Manuel Machado.

A 9.ª edição do Festival das Artes é subordinada ao tema “Metamorfoses”. Temática que leva Manuel Machado a desafiar, desde logo os conimbricenses, mas também o muito público que habitualmente vem de fora de Coimbra. “Vale a pena seguir o mapa aqui indicado nesta metamorfose para se perceber um pouco da metamorfose que é a nossa cidade; neste mapa, há muitas coisas que vemos todos os dias, que olhamos, mas não as vemos ou não as apreciamos.”

Manuel Machado salientou ainda a vertente solidária do concerto previsto para o dia 22 – “De Portugal a Viena via Paris”, pela Orquestra Clássica do Centro, no Anfiteatro Colina de Camões (Quinta das Lágrimas). As populações de Pedrógão Grande, Penela, Ansião, Castanheira de Pera ou Góis poderão assistir gratuitamente a este concerto. “Os moradores podem estar connosco e ter uns instantes de recreação, de esperança, porque é sempre possível renascer das cinzas”, afirmou Manuel Machado.

Na cerimónia de abertura participou também a vereadora da Cultura da CMC, Carina Gomes, entre outras personalidades.

A seguir à cerimónia de abertura foi inaugurada uma exposição de azulejaria no Museu Nacional Machado de Castro. Seguiu-se um concerto da Orquestra Metropolitana de Lisboa, dirigido pelo maestro Pedro Amaral, no Convento São Francisco, intitulado "Metamorfoses Germânicas".

O Festival das Artes percorre diferentes espaços de Coimbra, com música, exposições e cinema, e vai contar com concertos de Adriana Calcanhotto, Mário Laginha ou da pianista russa Irina Chistiakova, bem como com a magia de Luís de Matos. A “base” da iniciativa continua a ser o anfiteatro Colina de Camões, na Quinta das Lágrimas, onde se vai poder desfrutar de jazz, música clássica ou brasileira.

Durante a 9.ª edição do Festival das Artes há ainda um ciclo de cinema com curadoria de Pedro Mexia, uma exposição documental sobre Ovídio nas coleções da Universidade de Coimbra, conferências, atividades para as crianças e jovens e uma oficina de escrita com o escritor Mário Cláudio, entre outras iniciativas. Grande expetativa também para a exposição “Metamorfoses”, de Arpad Szenes, que inaugura no próximo dia 19 de julho (quarta-feira), às 18h00, na Galeria de Exposições Temporárias do Edifício Chiado.

A programação completa do festival pode ser consultada em aqui