Autarquia apoia Jazz ao Centro Clube com 60 mil euros

O executivo da Câmara Municipal de Coimbra (CMC) aprovou ontem, por unanimidade, uma proposta para a atribuição de um apoio financeiro pontual de 60 mil euros ao JACC – Jazz ao Centro Clube, para a execução do projeto LINHAS 2017, que contempla um conjunto de atividades relevantes e de interesse público, no âmbito da criação e da oferta cultural para a cidade de Coimbra. Dessas, destacam-se seis atividades: a programação do Salão Brazil, o serviço educativo, o JACC – Encontros Internacionais de Jazz de Coimbra, o JACC Records, a revista jazz.pt e a plataforma LINHAS. 

O JACC é uma associação cultural sem fins lucrativos, nascida em 2003 e sediada na cidade de Coimbra. Nasceu com a missão de promover, divulgar e ensinar o jazz e emergiu com os JACC – Encontros Internacionais de Jazz de Coimbra, que colocaram a cidade no circuito global do jazz e da música improvisada. A partir daí, o JACC não parou de crescer. Lançou a revista jazz.pt, realizou o PORTUGAL JAZZ (um plano estratégico para a promoção e divulgação do jazz em Portugal), criou a editora JACC Records (que conta já com 33 discos editados e mais três a caminho), e, em finais de 2012, conseguiu finalmente um espaço de programação na cidade – o Salão Brazil, que funciona como uma plataforma de criação e apresentação de espetáculos. Há dois anos que tem vindo a apostar fortemente também na área do serviço educativo.

O JACC é, pois, uma entidade de reconhecido mérito cultural, “que tem contribuído para o fortalecimento artístico da Região Centro e que desenvolve uma atividade cultural de inegável qualidade, no âmbito da cultura musical”, lê-se no protocolo que irá ser celebrado entre a CMC e o JACC. “A atividade do Jazz ao Centro Clube, com o nível artístico que o tem caraterizado, contribui inequivocamente para o desenvolvimento artístico-cultural do Município de Coimbra”, pode ainda ler-se no documento.

Razões mais do que suficientes para atestar o interesse municipal da atividade do JACC, que solicitou um apoio financeiro à autarquia para dar continuidade às suas ações e para a concretização do projeto LINHAS, “considerado, pela Direção-Geral das Artes, um projeto de referência nacional para a modalidade de Acordos Tripartidos”, lê-se na informação dos serviços camarários. 

O projeto LINHAS une três associações culturais de Coimbra – o JACC, o Círculo de Artes Plásticas de Coimbra e a Casa da Esquina – e tem como missão criar pontes e fomentar a cooperação e a troca artística com base nos seguintes denominadores comuns: a arte, a contemporaneidade, e o território/património onde estão inseridas. 

O projeto LINHAS contempla um conjunto de iniciativas relevantes, tais como, a título de exemplo: a realização de 54 concertos e 20 iniciativas diversas, que passam pela performance, sessões de poesia ou jam sessions, no Salão Brazil, durante o ano de 2017; a aposta no serviço educativo; a realização da 15.ª edição do JACC – Encontros Internacionais de Jazz de Coimbra; a dinamização da plataforma de criação artística e pedagógica LINHAS; a edição de mais discos no âmbito da JACC Records e a continuação da revista jazz.pt, a única do género em Portugal. 

A celebração do protocolo de Apoio Financeiro Municipal ao Associativismo Cultural para Atividade Pontual para 2017 com o JACC, no valor de 60 mil euros, será liquidado em três tranches, de 20 mil euros cada, sendo a última no final do mês de novembro.