Autarquia de Coimbra tem solução para a construção das futuras instalações do CDOS

O presidente da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), Manuel Machado, recordou hoje que Coimbra dispõe, há vários anos, de uma solução para a construção de um novo edifício do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) “próximo do Aeródromo Municipal Bissaya Barreto (…) onde até já se encontram alguns dispositivos de proteção civil”. O autarca reforçou esta posição, adiantando que se trata de um local com boas acessibilidades e condições para o efeito.

Manuel Machado falava aos jornalistas, no final da cerimónia de comemoração do 236.º aniversário da Companhia de Bombeiros Sapadores (CBS) de Coimbra. Recentemente, o diário As Beiras noticiou a disponibilidade de Cantanhede para instalar a futura sede do CDOS caso a CMC não coloque um terreno à disposição. Trata-se, na opinião de Manuel Machado, de uma “não polémica”. “A Câmara de Coimbra aparece numa compita completamente marginal ao essencial que é resolver”, realçou.

“Fiz uma pesquisa e, percorrendo o sistema de informação dos documentos que entram na Câmara, não se encontra nenhum pedido e, portanto, havendo necessidade, é a Autoridade Nacional de Proteção Civil que tem de formular a questão, não vamos metermo-nos em seara alheia”, complementou o presidente da CMC.

O vereador da Proteção Civil, Jorge Alves, e a vereadora da Cultura, Carina Gomes, além de representantes de diversas entidades civis e militares, também marcaram presença cerimónia. O aniversário contou ainda com alunos da EB1 Bairro Norton de Matos e da EB1 Quinta das Flores.

Outras das questões abordadas por Manuel Machado foi a das viaturas do INEM (Instituto Nacional de Emergência Médica) que avariam com demasiada regularidade. “É desconfortável constatar que vêm para aqui viaturas que avariam muitas vezes, demasiado frequentemente até, que já vêm gastas” e, noutros locais do território, onde existem protocolos semelhantes ao de Coimbra “chegam viaturas novas”, afirmou o edil, salvaguardando que nunca esteve em causa o socorro às pessoas. “Sempre que se está em risco eminente de isso acontecer, são utilizados meios de outros sítios.” 

Para o presidente da CMC, “cada unidade, cada companhia, cada associação de bombeiros voluntários, etc.”, no caso de Coimbra, “estão perfeitamente articulados”, existindo, desde o princípio, “a preocupação de estabelecer uma comunicabilidade sadia e efetiva entre todos os comandantes”.

Já ao nível dos recursos humanos, o autarca adiantou que o processo de recrutamento de 22 novos elementos para a CBS se encontra em fase de conclusão. Trata-se de uma contratação que só agora foi possível fazer depois dos anos de restrições a este nível impostas pela troika. 

Candidatura da requalificação do Quartel dos BVC a fundos comunitários prestes a ser aprovada 

Manuel Machado anunciou aos jornalistas que a candidatura efetuada pela Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Coimbra (AHBVC) a fundos comunitários para a requalificação total das respetivas instalações, se encontra em fase final de aprovação. “Está praticamente aprovado o financiamento comunitário para a requalificação do quartel dos Bombeiros Voluntários de Coimbra (BVC), num investimento na ordem dos 700.000 euros”, salientou o edil.

“A esta hora está reunido o júri, que a Câmara também integra, ajudando no trabalho de seleção dos concorrentes (…) e penso que está na reta final de análise à candidatura apresentada para financiamento comunitário, de 85% do valor do financiamento”, adiantou Manuel Machado.

Recorde-se que a autarquia de Coimbra demonstrou, em setembro de 2016, por ocasião do aniversário da AHBVC, total disponibilidade para participar, de modo empenhado e efetivo, no financiamento da contrapartida nacional [percentagem do valor global da obra que cabe ao promotor da candidatura] da intervenção de requalificação do quartel dos Bombeiros Voluntários de Coimbra, no caso de a candidatura submetida ser aprovada, como se prevê.