Secretário de Estado João Vasconcelos considera Coimbra um exemplo na área da Indústria 4.0

O presidente da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), Manuel Machado, participou hoje num almoço com o secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, com o reitor da Universidade de Coimbra (UC), João Gabriel Silva, e vários empreendedores e empresários da região, no restaurante universitário Colégio de Jesus. Um encontro que serviu para debater os desafios e as oportunidades do tecido empresarial de Coimbra, num dia marcado pela assinatura do primeiro protocolo de cooperação, entre o Governo e a UC, no âmbito da iniciativa Indústria 4.0 – Economia Digital, que visa valorizar, promover e investir na digitalização da economia nacional.

João Vasconcelos esteve hoje em Coimbra para assinar o primeiro protocolo de cooperação para a promoção da iniciativa Indústria 4.0 – Economia Digital, protocolo esse celebrado com a UC. A estratégia nacional para a Indústria 4.0 – Economia Digital trata-se, pois, de um conjunto de 60 medidas, tanto de iniciativa pública, como privada, que abrangem aspetos como a formação e capacitação de recursos humanos, a cooperação tecnológica e a adaptação legal e normativa das instituições envolvidas. Ações que pretendem valorizar, promover e investir na digitalização da economia nacional.

“Coimbra é um dos maiores exemplos nesta área, em iniciativas referenciadas no projeto Indústria 4.0 e queremos replicar estes bons exemplos”, afirmou o secretário de Estado, justificando, assim, o facto do primeiro protocolo ter sido celebrado em Coimbra, com a UC.

O presidente da CMC acompanhou o secretário de Estado e o reitor da UC na cerimónia de assinatura do protocolo, que decorreu, pelas 12h00, na Sala do Senado, e depois na visita ao supercomputador da UC. Seguiu-se, então, o almoço no restaurante universitário Colégio de Jesus, ao qual se juntaram a presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), Ana Abrunhosa, a presidente do Instituto Pedro Nunes (IPN), Teresa Mendes, os embaixadores do projeto Académica Star UC e vários empreendedores e empresários de renome da região de Coimbra.

“O país precisa de saber que Coimbra está nesta economia de futuro”, referiu João Vasconcelos, no final do almoço, agradecendo a iniciativa. “E Coimbra precisa de ocupar este espaço. É preciso aproveitar o apoio que a Câmara Municipal de Coimbra tem dado, a perspetiva da Universidade de Coimbra, e replicar estes bons exemplos”, argumentou João Vasconcelos, fazendo referência ao IPN como a maior incubadora de empresas a nível nacional e com presença internacional. “Coimbra é, para mim, a maior referência nacional na transformação de conhecimento em valor empresarial, económico”, prosseguiu o secretário de Estado da Indústria, acrescentando: “Contem comigo para fazer a minha parte enquanto membro do Governo.”

Depois de almoço, o secretário de Estado da Indústria seguiu para o auditório da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC), onde fez uma intervenção sobre os novos desafios da economia digital. Um momento que contou ainda com a participação de outros oradores, nomeadamente da presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa, e da diretora da FEUC, Teresa Pedroso de Lima.

Do programa de João Vasconcelos consta ainda uma visita ao laboratório de Robótica do Departamento de Engenharia Mecânica da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC, para conhecer um pouco melhor a investigação de Mohammad Safeea, o estudante sírio que obteve 20 valores no Mestrado em Engenharia Mecânica. A passagem do secretário de Estado por Coimbra termina com uma visita à Feedzai, uma empresa de base tecnológica considerada como um dos casos de sucesso do concelho, que iniciou a sua atividade, em 2009, na incubadora do IPN e que, devido ao seu rápido crescimento, encontra-se atualmente na aceleradora do IPN. 

Recorde-se que esta aposta do Governo na Indústria 4.0 pretende gerar as condições necessárias para o desenvolvimento da indústria e dos serviços portugueses, tendo como objetivo, com as medidas que englobam esta iniciativa, acelerar a adoção das tecnologias e conceitos da Indústria 4.0 no tecido empresarial; promover empresas tecnológicas portuguesas a nível internacional; tornar Portugal um polo atrativo para o investimento no contexto Indústria 4.0; envolver cerca de 50 mil empresas e investir mais de 2 mil milhões de euros nos próximos anos.