Manuel Machado defende novo aeroporto em Monte Real

O presidente da Câmara Municipal de Coimbra (CMC) defendeu, hoje, a instalação do novo aeroporto em Monte Real, na região Centro, argumentando ser a única região do país que não dispõe de infraestrutura aeroportuária e a que mais pode ajudar o interior a desenvolver-se, contribuindo para a tão ambicionada e necessária coesão territorial. Manuel Machado falou na abertura da sessão pública do Programa Valorizar, que decorreu na antiga igreja do Convento São Francisco, e que serviu, sobretudo, para apresentar publicamente mais uma linha de financiamento do programa da Secretaria de Estado do Turismo: a linha de valorização turística do Interior.

“Já que é possível equacionar uma solução Montijo, então, por maioria de razão, considerar que já temos em Beja um aeroporto, temos em Faro um aeroporto internacional, temos em Lisboa um aeroporto internacional, temos no Porto um aeroporto internacional, é tempo de pensar de forma leal, franca, de forma refletida que, para ajudar o interior a desenvolver-se, devemos criar esta via de comunicação a partir de Monte Real”, defendeu Manuel Machado, argumentando ainda que esta é “a solução menos onerosa para o erário público, a solução mais rentável para o investimento necessário”.

“A questão das acessibilidades aeroportuárias tem que ser pensada de um modo diferente do que temos ouvido recentemente, tal como deve ser diferente daquilo que ouvimos antes. Nós conhecemos o território nacional, respeitamos cada uma das comunidades, (…) o racional da questão do acesso aeroportuário em Portugal, já que existe o aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, o aeroporto Francisco Sá Carneiro no Porto, passa por soluções tão simples e comezinhas como o aeroporto de Monte Real”, reiterou o presidente da CMC, que se fez acompanhar da vereadora da Cultura, Carina Gomes.

“Não digo isto como reivindicação, faço-o afirmando com plena responsabilidade das funções que desempenho, que o racional para o acesso aeroportuário a Portugal, para proteger o interior, ou os interiores, o litoral, ou os litorais, as serranias e as planícies, a solução menos onerosa para o erário público, a solução mais rentável para o investimento necessário, é então, sublinho de novo, a escolha de Monte Real”, reafirmou, concluindo: “Haja boa vontade, porque meios já existem, estão acessíveis, disponíveis e aqui bem perto, portanto a questão é fácil de resolver, basta o elementar bom senso e a racionalidade tendo em vista a coesão do território nacional.”

Uma ideia igualmente defendida pelo presidente da Entidade Regional de Turismo do Centro. Pedro Machado, que foi o segundo a discursar na sessão pública do “Programa Valorizar”, aplaudiu as declarações de Manuel Machado e fez mesmo questão de reforçar essa vontade, lembrando a “o peso que uma acessibilidade aeroportuária tem para o desenvolvimento de uma região”, defendendo também que Monte Real é a melhor opção. “Não é por acaso que Sua Santidade, o Papa, decidiu aterrar em Monte Real”, acrescentou ainda o presidente da Turismo do Centro.

Coimbra+ com 128 mil utilizadores registados

No dia em que foi apresentada publicamente a terceira linha de financiamento do Programa de Apoio à Valorização e Qualificação do Destino Portugal, o Valorizar, destinada à qualificação do Interior (com uma dotação de 10 milhões de euros) – as linhas de financiamento para o turismo acessível e para a criação de projetos wi-fi nos centros históricos foram conhecidas em outubro do ano passado – Manuel Machado falou ainda do Coimbra+, uma rede de acesso à internet sem fios, gratuita e livre, que a CMC implementou, em abril de 2015, no centro histórico da cidade e nos locais mais frequentados de Coimbra, e que tem vindo a alargar a outros espaços, como é o caso do Convento São Francisco.

“Quero ainda falar de uma das acessibilidades que existem em Coimbra: o Coimbra+. Como cidade património Mundial, com património classificado, (…) decidimos fazer autoestradas de comunicação, através do sistema de acesso gratuito e livre à internet. Este espaço, todo este conjunto, tem isso, a generalidade do centro histórico de Coimbra tem esse acesso, e estamos a ampliá-lo e, naturalmente, se os fundos comunitários aqui puderem chegar, acolheremos de boa graça. Se não puderem chegar, resolveremos na mesma”, afirmou o presidente da CMC, salientando, ainda, o êxito do projeto.

“Temos já 128 mil utilizadores registados, o que, convínhamos, face ao custo do investimento, que posso garantir-vos é absolutamente razoável (…) esta solução encontrada é uma solução de pleno êxito e foi toda desenvolvida sob o sistema de ajuste direto, feito de forma transparente, desafiando o mercado e procurando escolher as melhores soluções”, acrescentou ainda Manuel Machado, defendendo a importância de facultar aos cidadãos, aos moradores, aos estudantes, e a todos os que vistam a cidade, o acesso gratuito e livre à internet, efetuando apenas um simples registo. 

A abertura da sessão pública do Programa Valorizar contou ainda com a presença da presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, Ana Abrunhosa, e com a presidente da Unidade de Missão para a Valorização do Interior, Helena Freitas, que esteve também a representar a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, que não pôde estar presente. A seguir às intervenções iniciais, o vogal do Conselho Diretivo da Turismo de Portugal, Carlos Abade, apresentou aos presentes – a sala estava lotada – as linhas de financiamento do Programa Valorizar.